Chapada dos Veadeiros

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é uma unidade de conservação de proteção integral à natureza localizada na região centro-oeste do estado de Goiás, na Chapada dos Veadeiros. Até o final de maio de 2017, o parque abrangia uma área de 65.514 ha de cerrado de altitude, dos quais aproximadamente 60 % ficam em Cavalcante e os demais 40 % em Alto Paraíso de Goiás.

O parque foi criado através do Decreto Nº 49.875, emitido pelo então Presidente da República, Juscelino Kibitschek, em 11 de janeiro de 1961. Em dezembro de 2001 o parque foi incluído na lista do Patrimônio Nacional pela UNESCO. Atualmente sua administração está a cargo do Instituto Chico Mendes (ICMBio).

Hidrografia

A Chapada dos Veadeiros é um importante centro dispersor de drenagem, com a maioria de seus rios escavando vales em forma de “V”. O principal é o rio Preto, um afluente do rio Tocantins, que forma várias cachoeiras ao longo de seu curso, com destaque para dois saltos respectivamente 80 e 120 m de altura.

Fauna e Flora

Entre as espécies da fauna que habitam o parque, cerca de 50 são classificadas como raras, endêmicas ou sob risco de extinção na área. No tocante à flora, já foram identificadas 1.476 espécies de plantas no parque, das 6.429 que existem no bioma do cerrado.

 

caju_do_cerrado 2

Caju do cerrado

 

pau d'arco roxo

Pau d’arco roxo

 

copaiba

Copaiba

No cerrado aberto, as espécies vegetais mais proeminentes são o pau-terra-vermelho, a cajueiro-bravo-do-campo, o nurici-rói-rói, o caju-do-cerrado. Nas matas de galeria, destacam-se o pau d’arco roxo, copaíba, arorira e tamanqueira. Há ainda a ocorrência dejerivá e viuvinha e, nos baixios, de buriti e babaçu.

 

cervo do pantanal

Cervo do pantanal

 

veados-campeiros

Veado campeiro

 

lobo guará

Lobo guará

Entre os mamíferos, podemos destacar quatro ameaçados de extinção: o cervo-do-pantanal, o veado campeiro, seu predador natural, onça-pintada, e o maior canídeo americano, o lobo guará. As aves mais destacadas são a ema, o uruburei, e o gavião.

 

lobo guará

Urubu rei

 

gavião rei

Gavião rei

 

O Parque possui formações vegetais únicas, centenas de nascentes e cursos d’água, rochas com mais de um bilhão de anos, além de paisagens de rara beleza, com feições que se alteram ao longo do ano. O Parque também preserva áreas de antigos garimpos, como parte da história local

 

Além da conservação, o Parque tem como objetivos a pesquisa científica, a educação ambiental e a visitação pública. A caminhada e os banhos de cachoeira são as principais atividades no Parque, nas imensas paisagens da Chapada, numa viagem pelo Cerrado brasileiro, nas antigas rotas usadas por garimpeiros, hoje utilizadas pelos visitantes.

 

Atrativos da Chapada dos Veadeiros

 

Vale da Lua

 

1a vale da lua

O Vale da Lua é um dos pontos mais visitados na Chapada dos Veadeiros. Tem este nome por lembrar mesmo uma paisagem lunar. Fica em Alto Paraíso de Goiás e é um conjunto de formações rochosas cavadas nas pedras pelas corredeiras de águas transparentes do rio São Miguel.

Este vale está fora do Parque Nacional, na Serra da Boa Vista. Mas, atenção: torna-se perigoso nos períodos de muita chuva, pois as trombas d’água podem acontecer a qualquer momento.

Está a 11 km de São Jorge pela rodovia GO-239, entrando-se por uma estrada de terra do lado oposto ao Parque Nacional. Não é obrigatório ir com um guia, porém há uma pequena taxa que deve ser paga para entrar neste paraíso.

Cachoeiras Almécegas I e II

 

2 Cachoeira Almécegas

Elas ficam dentro da Fazendo São Bento, em alto Paraíso, uma das mais bonitas e organizadas da região da Chapada.

A trilha para chegar até elas são tarefas desafiadoras, pois apresenta um grau de dificuldade moderado e você passará por um caminho entre as pedras. São cerca de 800 metros de caminhada até onde ficam as águas sempre geladas.

Almécegas I tem uma queda d’água de 45 metros e a II de 8 metros.

Leve água e comida, pois não há nada para vender na entrada da cachoeira. Também se prepare para pagar uma taxa razoável.

 

Paralelo 14

 

3 Paralelo14

O Paralelo 14 é um dos pontos altos do misticismo que gira em torno da Chapada dos Veadeiros. Ele é uma linha imaginária que, de acordo com quem defende a ideia, também corta Machu Picchu, no Peru.

É um atrativo para as pessoas que gostam da mística em torno deste paraíso natural. Ao final desta linha imaginária há uma cidade de apenas oito mil habitantes com estranhas construções, templos, casas, cristais e até pirâmides.

 

Cataratas dos Couros

4a catarata-dos-couros

Ruidosa, caudalosa e bela. Estes três adjetivos caem como uma luva para a Catarata do Rio dos Couros. Ela é uma impressionante sequência de corredeiras, cachoeiras e poços de águas muito límpidas.

A trilha até lá é fácil, plana e curta. A Catarata dos Couros fica a 53km de Alto Paraíso, em São João D’Aliança. A distância de ida e volta nesta trilha é de 2Km.

 

Cachoeira Ave Maria

 

5 cachoeira_ave_maria

Situada entre Cavalcante e Minaçu, a Cachoeira Ave Maria é uma beleza que merece ser apreciada do alto do Mirante Ave Maria, no topo da primeira serra. A queda d’água tem impressionantes 120 metros de altura.

Trata-se de um paraíso pouco explorado, pois a maioria dos visitantes da Chapada dos Veadeiros acham difícil chegar até lá. Os guias que fazem esta trilha também são escassos. Mas, vale muito a pena ir até lá

 

Águas Termais

 

6a águas termais

Não se pode deixar de ir ao Éden e ao Morro Vermelho, duas propriedades que ficam a 14km de São Jorge. Elas têm pouco mais de um metro de profundidades e as águas são aquecidas a uma temperatura de cerca de 33 graus.

Uma dica: vá à noite, pois no verão a temperatura sobe muito e fica difícil submergir. À luz da lua é até mais emocionante. Livre-se de tudo e aguce os instintos sensoriais; aproveite as águas saudáveis e ouça o som dos bichos na mata que fica ao redor.

 

Cachoeiras da Fazenda Loquinhas

 

Muito próximo do centro de Alto Paraíso de Goiás há uma fazenda chamada Fazenda Loquinhas. Nela, existem duas trilhas. Uma leva para um local com sete poços, Loquinhas, e outra com seis, Violeta.

Nesta fazenda existem diversas cachoeiras, todas desembocando em poços límpidos, com fundo verde esmeralda. A estrutura do lugar é impressionante. Ideal para levar crianças e até idosos.

 

Cachoeira dos Cristais

 

8 cascada-cristal

A Cachoeira dos Cristais é um destino recomendado para toda a família. Logo na entrada da trilha você se depara com uma linda piscina natural, onde o Rio Cristal inicia uma sequência incrível de pequenos poços.

A dos Cristais é a última de uma sequência de pequenas cachoeiras que você encontrará pelo caminho.

Também não deixe de curtir o mirante de onde se vê a Serra Geral, o Vale do Moinho e a Serra da Baliza. O pôr e o nascer do sol ali valem muito a pena.

 

Como chegar até a Chapada

 

A entrada do Parque está localizada no distrito de São Jorge, a 36 km do município de Alto Paraíso de Goiás.

 

De Brasília-DF, são cerca 260 km até a entrada do Parque. O acesso é feito pela BR-020, em direção à Formosa-GO. No trevo, pegar a BR-010, sentido Alto Paraíso. Após cruzar a divisa do Distrito Federal com Goiás, a BR-010 passa a se chamar GO-118. Chegando a Alto Paraíso, vire no trevo à esquerda em direção a São Jorge e siga pela GO-239 por mais 22 km de rodovia asfaltada e 14 km em estrada de terra.

 

O caminho de São Jorge até a portaria do Parque tem menos de 1 km de extensão, sendo possível ir caminhando, de bicicleta ou de carro. Nos períodos com maior fluxo de visitantes (meses de férias escolares e feriados prolongados), o estacionamento fica lotado e a estrada de acesso ao Parque pode se tornar intrafegável, portanto, recomendamos que deixe o seu carro em São Jorge.

 

Distâncias da portaria do Parque

Brasília: 260 km

Goiânia: 460 km

 

Os visitantes podem percorrer quatro trilhas para chegar aos atrativos do Parque Nacional: Travessia das Sete Quedas, Trilha dos Saltos, Trilha dos Cânions e Trilha da Seriema.

 

Travessia Sete Quedas

 

Extensão –  23,5 km

Duração – A Travessia pode ser percorrida em 2 ou 3 dias, se o visitante optar por permanecer um dia a mais acampado.

Nível de dificuldade – Muito Pesado

Sinalização – setas laranjas

Siga a sinalização para encontrar o banheiro e as instruções para uso de dusponibilidades no interior. O Parque não fornece papel higiênico, álcool em gel e outros produtos de higiene.

A travessia termina fora do Parque Nacional, na beira da estrada, a cerca de 12 km de São Jorge e 24 km de Alto Paraíso. Portanto, o visitante deverá contratar por conta própria o serviço de traslado.

 

Trilha dos Saltos

 

Extensão aproximada: 11 km ida e volta

Duração estimada: 4h – 6h, conforme o tempo que o visitante permanecer nos atrativos.

Nível de dificuldade: saltos mais corredeiras: Pesado

Só Corredeiras: Moderado

Sinalização: setas amarelas

O percurso é feito na maior parte do tempo em terreno acidentado e bastante pedregoso. Na ida, inclui a passagem pelo Garimpo, considerado o maior garimpo de cristal de quartzo da região quando estava em atividade.

Depois de aproximadamente 4 km de caminhada, chega-se ao Mirante do Salto de 120 m no Rio Preto, ponto alto do percurso, de onde se vê a queda d’água do Rio Preto, de perder o fôlego. A 800 metros dali está o Salto de 80m, onde é possível tomar banho no rio, em área limitada devido ao nível da água.

 

Trilha dos Cânions

 

Extensão aproximada: 12 km ida e volta

Duração estimada: 4h – 6h, conforme o tempo que o visitante permanecer nos atrativos

Nível de dificuldade: Moderado Superior

Sinalização: setas vermelhas

O percurso é feito em trilha pedregosa, plana sem muitos aclives, passando por lugares com sombra, bicas com água e paisagens belíssimas.

Na Cachoeira da Carioca o Rio Preto se divide em duas quedas. A descida até o poço é íngreme e requer atenção redobrada.

A caminhada final até a portaria tem cerca de 3,5 km de extensão.

 

Trilha da Seriema

 

Extensão aproximada: 800m ida e volta

Duração estimada: 1h30

Nível de dificuldade: Muito Leve

Sinalização: setas azuis

O percurso ocorre em terreno plano e bem marcado até chegar no córrego rodoviarinha, onde é possível tomar banho na época das chuvas. Esta trilha é recomendada para pessoas com dificuldade de locomoção, como idosos, grávidas e crianças.

 

Registro de entrada

 

Na entrada do Parque, o registro dos visitantes é feito mediante o preenchimento do Termo de Conhecimento de Riscos e Normas.

 

Horário

 

O Parque é aberto à visitação de terça a domingo. Em casos de feriados nas segundas-feiras, o Parque permanecerá aberto neste dia, fechando no primeiro dia útil subsequente.

Em janeiro e julho, meses de férias escolares, o Parque fica aberto todos os dias.

 

Entrada: 8h às 12h

Saída: até 18h

 

Visando enriquecer a experiência da visitação e manejar os impactos sobre o ecossistema do Parque, a visitação é limitada por trilha:

 

Travessia das Sete Quedas: 30 pessoas acampadas/noite

 

Trilha dos Saltos: 250 visitantes/dia

 

Trilha dos Cânions: 200 visitantes/dia

 

Trilha da Seriema: 30 visitantes/dia.

 

Recomendações importantes

 

Prepare-se para a caminhada:

Saiba se você tem o preparo físico adequado para percorrer as trilhas do PNCV. Caminhar no cerrado, mesmo com tempo nublado, é uma atividade muito desgastante.

 

Tome um café da manhã bem reforçado. Mesmo que você não esteja acostumado a comer logo pela manhã, faça um esforço, pois as caminhadas exigirão muito de você, por isso é bom estar preparado.

 

Leve bastante água e um bom lanche, mas evite vasilhames de vidro ou enlatados. Prefira alimentos leves como frutas, castanhas, sanduíches sem maionese, banana e uva desidratada.

 

Utilize roupas adequadas, boné e tênis ou outro calçado fechado. Chinelos e sandálias abertas não combinam com trilhas e, se arrebentarem, tornarão sua experiência desagradável.

 

Leve protetor solar e repelente.

 

Leve seus remédios de usos específicos, como antialérgicos, e de uso controlado, como pressão, asma e outros.

 

Na época das chuvas, traga um anoraque (ou capa de chuva) e roupa reserva para trocar após o passeio. Embale roupas e equipamentos eletrônicos em um saco estanque para mantê-los secos.

 

Siga as normas e as orientações dos funcionários do Parque, condutores de visitantes e bombeiros, especialmente nas áreas de banho, pois elas visam a proteção dos ambientes e dos próprios visitantes.

 

Observe, mas não recolha flores e pedras dos locais que você está visitando, nem moleste os animais.

 

Todo lixo que você produzir deverá ser levado de volta à cidade, inclusive o lixo orgânico.

 

Atividades em ambientes naturais envolvem riscos e o Parque Nacional não conta com serviço de resgate, portanto, aja com moderação. Evite atitudes que possam causar acidente, como subir em pedras ou árvores e saltar no rio de lugares altos.

 

Opções de hospedagem

 

ALTO PARAISO

Alto Paraíso de Goiás

alto-paraiso

Antes de fazer sua reserva de hospedagem é importante que o viajante saiba que a Chapada dos Veadeiros é formada de várias cidades/vilarejos. E são eles: Alto Paraíso de Goiás, São Jorge, Cavalcante, Colinas do Sul, Engenho, São João da Aliança e Teresina de Goiás. A dica é ficar em uma das três primeiras. Ou em todas as três. Elas possuem melhor infraestrutura, com destaque para Alto Paraíso de Goiás, que é onde se localizam os bancos, restaurantes, supermercados e maiores opções de hospedagem.

 

Observação importante

 

Nosso País é uma região endêmica do vírus da Febre Amarela, portanto, orientamos que, ao programar sua viagem para a Chapada dos Veadeiros, ou qualquer outra região do País, tome a vacina da Febre Amarela com no mínimo 10 (dez) dias de antecedência da sua viagem. Lembre-se: a única forma de evitar a Febre Amarela é se VACINANDO.

 

Autor: Levy

Compartilhe este artigo no

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *